Translate

sábado, 2 de julho de 2016

Presidente chinês incentiva o Partido Comunista a recuperar os valores marxistas

Xi Jinping busca unir o partido em seu 95º aniversárioNo ano que vem, algumas substituições nos principais cargos do regime estão previstas


Recuperar os princípios tradicionais do marxismo, unir correntes ideológicas e continuar a luta pela “purificação” e contra a corrupção. Essa é receita política que o presidente da China, Xi Jinping, vem aplicando desde sua chegada ao poder há quatro anos e que, segundo deixou claro nesta sexta-feira, só tende a se intensificar nos próximos meses, antes das substituições previstas para 2017 para muitos dos principais cargos do regime.
Soldados chineses posam para comemorar o 95º aniversário do Partido Comunista. AFP

“A história e o povo tomaram a decisão correta ao eleger o Partido Comunista da China para que os lidere no grande rejuvenescimento da civilização chinesa. É preciso continuar aderindo a essa decisão no futuro, sem hesitar”, insistiu Xi na cerimônia oficial de comemoração do 95o aniversário do Partido.




MAIS INFORMAÇÕES

Quando os festejos celebram um aniversário “redondo”, a cada cinco ou dez anos, eles adquirem uma importância especial. Ocorrem um ano antes dos congressos do partido, as grandes reuniões quinquenais nas quais os principais cargos do regime são renovados. Tornou-se uma tradição da época pós-maoísta que o discurso do maior mandatário do partido durante esses aniversários adiante quais serão as prioridades políticas dos congressos.
Xi, o líder chinês que acumulou mais poder desde os tempos de Mao Tsé-Tung, e que caracterizou seu mandado por um crescente controle da sociedade civil e do ciberespaço, lançou uma inflamada defesa da ortodoxia ideológica, ao longo de uma hora e meia de discurso, transmitido ao vivo pela rede de televisão oficial da China.
Uma ortodoxia na qual vem insistindo à medida que o crescimento econômico – o maior trunfo do partido para justificar sua legitimidade nos últimos 30 anos - foi se reduzindo. Nas universidades pede-se que não sejam disseminados “valores ocidentais” nas aulas; os membros do partido deverão demonstrar em testes seus conhecimentos sobre a teoria política comunista; e funcionários e militantes terão que exibir uma “lealdade inquebrável” ao sistema. O presidente sugeriu ainda que a missão dos veículos de comunicação é “amar e proteger o partido”.
O marxismo, com características chinesas, deve ser “o princípio básico e fundamental que nos guie”. “De outro modo, ele perderá sua alma e sua direção”, afirmou Xi. E se alguns funcionários esperavam que a ampla campanha contra a corrupção dentro do partido perdesse fôlego à medida em que se aproxima o congresso de 2017, ficarão muito decepcionados. O presidente destacou que a corrupção é a principal ameaça ao apoio popular e à integridade do partido e, por isso, continuará “a purificação exaustiva do ecossistema político”. “Devemos reforçar o partido constantemente, mediante a autopurificação”.




Xi Jinping durante a cerimônia.


O Partido Comunista Chinês é a formação política com maior número de membros no mundo: 88 milhões de pessoas, o equivalente a toda a população da França e da Austrália juntas. Mas entre os jovens que se filiam a cada ano, aqueles que o fazem por convicção ideológica são minoria. Muitos consideram a carteira de membro como um caminho de promoção social e profissional. Segundo os números facilitados pelo Departamento de Organização do partido, no ano passado o aumento de militantes foi o menor em 38 anos, em 1,1%.
No ano passado, um estudo do Centro Pew situava a corrupção como uma das grandes preocupações dos chineses, junto com a contaminação e a desigualdade. E se a campanha contra a corrupção tem em parte como missão tentar recuperar a confiança dos cidadãos, também tem tentado neutralizar possíveis adversários como o ex-chefe dos serviços de segurança Zhou Yongkang e o ex-ministro do Comércio Bo Xilai. É um movimento de especial importância diante do congresso do ano que vem, quando, a princípio, deixarão o cargo cinco dos sete membros do principal órgão de comando do Partido, o Comitê Permanente. Xi aspira nomear para esses postos pessoas de sua confiança e, com isso, segurar-se ainda mais no poder.
Segundo o historiador Zhang Lifan, especializado no PCC mas de filiação independente, “essas grandes comemorações de aniversário revelam a falta de confiança”. “É como quando, ao passar por um cemitério, você assovia mais forte quanto mais assustado está. Xi é o líder chinês mais poderoso desde Mao, mas também enfrenta a situação mais perigosa e complicada desde Mao. Está tentando fazer com que seu barco não afunde”, diz.
“Xi tem que proteger seu poder, assim como a posição do Partido”, explica Zhang. Em sua opinião, após a queda em desgraça de Bo, Zhou e outras figuras, sobram em pé apenas duas facções internas: a de Xi e a da Liga Juvenil, a base de apoio do ex-presidente Hu Jintao e do atual primeiro-ministro, Li Keqiang. “Já não é uma batalha de vários bandos, é uma batalha de vida ou morte”, defende o historiador. “Nos últimos três anos, o regime não obteve conquistas e tem estado ocupado com suas lutas pelo poder. Até a economia atravessas dificuldades. É difícil prever o que ocorrerá no ano que vem”.




Xi Jinping alerta sobre a situação no mar do sul da China


M.V
O presidente chinês, Xi Jinping, aproveitou também seu discurso pelo aniversário do Partido Comunista para lançar uma mensagem contundente sobre sua política externa: a China nunca cederá no que considera serem seus interesses vitais ou em sua soberania, declarou. A advertência chega antes que um tribunal internacional anuncie, no próximo dia 12, sua decisão sobre a disputa de soberania entre Pequim e Manila em águas do Mar do Sul da China.
“Nenhum país deveria espera que cheguemos a engolir o amargo remédio do dano à nossa soberania, nossa segurança e nosso desenvolvimento”, afirmou o chefe de Estado chinês e secretário-geral do Partido Comunista, na frase mais aplaudida de seu discurso de 90 minutos.
Pequim advertiu que não aceitará a decisão da Corte Permanente de Arbitragem, ao considerar que ela carece de competências no caso. Os analistas consideram muito provável que o tribunal dê razão às Filipinas, o que motivou a China a lançar uma intensa ofensiva diplomática em busca de apoio à sua causa entre outros países.
A China é cada vez mais taxativa em suas reivindicações territoriais no Mar do Sul da China, onde, além das Filipinas, outros quatro países também disputam a soberania: Vietnã, Brunei, Taiwan e Malásia.
Enquanto Xi pronunciava seu discurso, um navio militar taiwanês disparou acidentalmente um míssil em direção à costa chinesa. Um barco pesqueiro taiwanês acabou sendo atingido e seu capitão morreu.