Translate

sexta-feira, 23 de março de 2018

Cuba lança novas plataformas de alta tecnologia como parte da modernização tecnológica de TI


2018-03-23 15:23:48丨portuguese.xinhuanet.com
por Raimundo Urrechaga
Havana, 22 mar (Xinhua) -- Desde 2015, Cuba avançou na modernização de sua sociedade com novas tecnologias e maior acesso à internet para facilitar a interação entre instituições governamentais e entidades produtivas e de serviços com a população.
Embora ainda em fase inicial, especialistas em ciência da computação, telecomunicações e engenheiros têm trabalhado para desenvolver novas alternativas tecnológicas que permitam aos cubanos acessar aplicativos e sites para diferentes propósitos.
"É um grupo de plataformas úteis que temos desenvolvido para ajudar a vida dos cidadãos. Eles já foram programados e esperamos que este ano governos locais, instituições e cubanos comuns os usem", disse Medardo Morales, diretor da empresa cubana de tecnologia da informação para defesa (Xetid).
Morales detalhou que essas plataformas desenvolvidas pela Xetid incluem comércio eletrônico, pagamentos, produção e serviços, procedimentos legais, governos locais, entretenimento e informações e gerenciamento de empresas.
Em um recente intercâmbio com cerca de 1.700 participantes de 32 nações que participaram esta semana da 17ª Convenção de TI e Feira de Cuba de 2018, Morales enfatizou que todos esses aplicativos e sites foram projetados na ilha.
"Nós os criamos com um forte conceito de soberania tecnológica e levando em conta todas as questões de segurança cibernética, garantindo que todas essas aplicações e plataformas tenham alta interoperabilidade técnica", disse ele.
O funcionário cubano enfatizou que eles trabalharam para desenvolver aplicativos tecnológicos úteis voltados para o benefício da população e o trabalho de instituições locais e governamentais.
No entanto, para Morales, as tecnologias sozinhas não resolvem nenhum problema porque o sucesso na aplicação de qualquer inovação tem um alto componente sociológico.
Neste sentido, Alberto Quinones, diretor de TI do Banco Central de Cuba, disse que a instituição tem o desafio de se aproximar da sociedade e implementar novas tecnologias no setor bancário.
Em 2017, 90% das operações com cartões de débito em Cuba eram para extrair dinheiro em caixas eletrônicos ou agências bancárias.
"É um desafio derrubar essa cena e promover o uso de canais virtuais ou eletrônicos disponíveis hoje para clientes cubanos. Eles são muito mais eficientes e mais rápidos do que o uso do dinheiro", disse ele.
O Quinones também considerou que constitui mais um passo na inclusão financeira para que mais pessoas tenham acesso mais fácil e seguro a novas soluções tecnológicas que já estão em prática há vários anos e outras que acabaram de ser implementadas.
O sistema financeiro cubano desenvolveu várias estratégias, desde serviços bancários simples, particularmente destinados ao envelhecimento da população, até a compra de milhares de terminais de ponto de venda (PDV) para lojas, novos caixas eletrônicos com inúmeras funções e desenvolvimento de aplicativos móveis para bancos.
Atualmente existem 936 máquinas ATM operando na ilha por uma taxa de cerca de oito por 100.000 cubanos, embora este ano elas aumentem consideravelmente após um acordo assinado em 2017 com um provedor chinês.
Também duas novas tecnologias neste tipo de equipamento foram introduzidas no ano passado, um caixa de reutilização de dinheiro e o ATM multifuncional, ambos fornecidos pela empresa chinesa GRG Banking Equipment.
O primeiro permite saques em dinheiro e depósitos e é uma máquina de autoatendimento que quase não requer intervenção humana. Enquanto isso, os caixas eletrônicos multifuncionais podem realizar várias tarefas, mas na ilha, agora ele é usado para troca de moeda estrangeira.
"Hoje, no Aeroporto Internacional José Martí, em Havana, há 4 caixas eletrônicos desse tipo, onde moradores e visitantes podem trocar dólares americanos ou canadenses, assim como o euro pelo peso conversível cubano (CUC)", disse ele.
Quinones também apontou novos canais eletrônicos que foram introduzidos recentemente, para e-commerce e aplicativos para bancos, embora eles ainda estejam em um período inicial de teste.
Por meio de um aplicativo bancário móvel, os cubanos já podem pagar suas contas (gás, eletricidade, água e telefone), além de transferir dinheiro entre contas bancárias e pagar seus impostos.
Além disso, novos sites para diferentes serviços de celulares e telefone e um dos supermercados de Havana também estão disponíveis para os moradores fazerem suas compras on-line.
Como suporte para todos esses canais eletrônicos estão os cartões de débito, que de acordo com Quinones, até o final de fevereiro os bancos locais já haviam emitido mais de 4 milhões, representando cerca de 45% da população da ilha elegível para abrir qualquer tipo de conta bancária.
"O Banco Central de Cuba, em conjunto com instituições financeiras, tem trabalhado para conseguir uma maior utilização de recursos bancários e nosso objetivo é continuar aumentando o número de pessoas que podem acessar esses serviços financeiros", disse a autoridade.
Iniciativas que estão ligadas a outras instituições governamentais implicam na realização da modernização tecnológica da sociedade cubana.
Os investimentos neste setor são totalmente financiados pelo governo cubano, representando um verdadeiro desafio para inserir rápida e maciçamente novas tecnologias devido às limitações financeiras da ilha.
No entanto, altos funcionários e até mesmo o primeiro vice-presidente do país, Miguel Díaz-Canel, reiteraram que Havana tem a vontade política de continuar desenvolvendo o uso de tecnologias de informação e comunicação, mesmo com restrições econômicas.