Translate

segunda-feira, 24 de julho de 2017

China e Rússia: o relacionamento bilateral que importa





Por Chandra Muzaffar
 Pesquisa Global, 24 de julho de 2017



Qual é a relação bilateral mais importante na arena internacional hoje? Muitos analistas argumentariam que é a relação entre os Estados Unidos da América e a China que tem o maior significado para o mundo.
Alguns vêem isso como a relação entre um poder estabelecido e um poder ascendente que muitas vezes levou à guerra no passado. Eles citam o grande historiador grego do século IV aC, Thucydides, que observou que "foi a ascensão de Atenas e o medo de que isso inculque em Esparta que tornasse a guerra inevitável". Pensadores contemporâneos como Graham T. Allison, que cunhou o termo "The Thucydides Trap 'ressaltam que, nos últimos 500 anos, houve 16 casos em que um poder estabelecido se sentiu ameaçado por uma potência crescente e 12 deles terminaram em guerra. Uma das mais devastadoras foi a guerra entre a Grã-Bretanha e a Alemanha, que estava no cerne da Primeira Guerra Mundial de 1914 a 1918. Por outro lado, os EUA assumiram o manto do poder imperial britânico após a Segunda Guerra Mundial em 1945 de forma relativamente pacífica.

Não vejo os EUA e a China entrarem em guerra. Cargado por guerras perpétuas e dívidas maciças com trilhões de dólares, um grande segmento da população dos Estados Unidos não tem apetite por outra conflagração que irá prejudicar ainda mais as energias da nação. Ao mesmo tempo, a liderança chinesa sabe que uma guerra com um poder militar tecnologicamente superior será um duro golpe para o desenvolvimento econômico e social do país, que continua sendo seu principal objetivo. No entanto, isso não significa que os EUA e a China possam negociar uma transferência pacífica de poder. Os EUA é óbvio que não está preparado para aceitar com equanimidade o declínio geral como hegemonia. É por isso que haverá escaramuças e conflitos de vez em quando, como testemunhamos o fim da era do domínio global ocidental norte-americano e o nascimento de uma nova fase nas relações internacionais.

No cerne dessa nova fase, há outra relação bilateral que considero mais importante na formação do presente e do futuro. Esta é a relação entre a China e a Rússia, que está no seu ponto de vista, neste momento. É um relacionamento que abrange toda a gama de finanças, energia e agricultura para vínculos militares e de segurança e uma estreita coordenação em questões políticas regionais e globais. Os líderes dos dois países, Xi Jinping e Vladimir Putin, que forjaram um forte vínculo interpessoal, aprovaram em julho de 2017 o esboço de implementação 2017-20 para o Tratado de Boa Vizinhança e Cooperação Amigável entre a China e a Rússia.

Este vínculo sempre fortalecido entre a nação mais populosa do mundo e sua maior entidade geográfica não só acelerará a extinção da hegemonia dos EUA, mas também acelerará o surgimento de uma ordem global multipolar. Vários outros estados já estão ligados à China e à Rússia através do BRICS e da Organização de Cooperação de Xangai (SCO). Esses órgãos são reforçados por iniciativas como o Banco de Investimento Asiático da Infra-estrutura (AIIB), o Projeto One Belt, One Road (OBOR) e a União Econômica Eurasiática. Embora os participantes em todos esses esforços não estejam sempre na mesma página sobre vários desafios que a família humana hoje enfrenta, eles ajudarão a difundir e dispersar o poder nos níveis regional e mundial. Um mundo multipolar, por definição, permitirá o crescimento das instituições multilaterais e o aprimoramento do direito internacional. Em suma, será bom para a paz global.

Claro, o vínculo Sino-Russo em desenvolvimento não está sem seus desafios. Não esqueçamos que a China e a Rússia (União Soviética), apesar de sua ideologia comunista comum, discutiram uns com os outros entre os anos cinquenta e oitenta, sobre uma variedade de questões relativas a abordagens econômicas, estratégias políticas e simplesmente poder e influência em Outras partes do mundo. Desta vez, enfatizando a sólida cooperação econômica e forjando posições políticas comuns sobre conflitos globais que afetam ambas as nações, os presidentes Xi e Putin conseguiram ancorar os laços sino-russos em interesses compartilhados que realmente os importam. Além disso, a busca dos EUA por sua agenda hegemônica na vizinhança da China e da Rússia, sem dúvida, aproximou os dois estados. Os líderes chineses e russos só estão conscientes de que há movimentos concertados pelo aparelho de inteligência nos EUA e em outros lugares para fazer uma cunha entre a China e a Rússia. Se alguma coisa aumentou a determinação de permanecer unidos.

O Dr. Chandra Muzaffar é o Presidente do Movimento Internacional por um Mundo Justo (APENAS).

Disclaimer: O conteúdo deste artigo é de exclusiva responsabilidade do (s) autor (es). O Centro de Pesquisa em Globalização w


Http://www.globalresearch.ca/china-and-russia-the-bilateral-relationship-that-matters/5600737